Ouvir Pausar

A Educação Inclusiva ainda é um desafio nas escolas do país

Os educadores estão mais conscientes de que para fazer uma inclusão de verdade e garantir a aprendizagem de todos os alunos na escola regular é preciso mais preparo e investimento, deve ser feito uma rede de apoio entre escola e família.

A Educação Inclusiva ainda é um desafio nas escolas do país
Banco de imagem

Existe no Brasil um esforço pela inclusão social e escolar de pessoas com necessidades especiais, até o início deste século o sistema educacional brasileiro era dividido em: escola regular e escola especial, foi na última década que o sistema escolar se modificou e a foi adotada a proposta inclusiva e um único tipo de escola, a regular, que acolhe todos os alunos, apresenta meios e recursos adequados e oferece apoio àqueles que encontram barreiras para a aprendizagem.

A educação inclusiva é um pilar do ensino contemporâneo com o objetivo de garantir o direito de todos à educação. Ela tem como foco promover a igualdade de oportunidades e a valorização das diferenças humanas, contemplando, assim, as diversidades étnicas, sociais, culturais, intelectuais, físicas, sensoriais e de gênero dos seres humanos.

É uma abordagem humanística, democrática, que percebe o sujeito e suas singularidades, tendo como objetivos o crescimento, a satisfação pessoal e a inserção social de todos.  É, na verdade, uma reestruturação da cultura, da prática e das políticas vivenciadas nas escolas levando-as a responderem as diversidades dos alunos.

Existem necessidades que interferem no processo de aprendizagem e que exigem uma atitude educativa específica da escola como, por exemplo, a utilização de recursos e apoio especializados para garantir a aprendizagem de todos os alunos. A prática pedagógica coletiva, multifacetada, dinâmica e flexível requer mudanças significativas na estrutura e no funcionamento das escolas, na formação humana dos professores e nas relações família-escola.

Porém, a inclusão transpõe as dimensões humanas, sociais e políticas, e vem se expandindo na sociedade contemporânea, de forma a auxiliar no desenvolvimento das pessoas em geral de maneira e contribuir para a reestruturação de práticas e ações cada vez mais inclusivas e sem preconceitos. É um caminho importante que abrange a diversidade construindo uma escola que ofereça uma proposta ao grupo, e atenda às necessidades de cada um, principalmente àqueles que correm risco de exclusão em termos de aprendizagem e participação na sala de aula.

Segundo a LDB no Art.58. Entende-se por educação especial, para os efeitos desta lei, a modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede regular de ensino, para educandos portadores de necessidades educacionais especiais (NEE).

Os cinco princípios da educação inclusiva são:

1. Toda pessoa tem o direito de acesso à educação
2. Toda pessoa aprende
3. O processo de aprendizagem de cada pessoa é singular
4. O convívio no ambiente escolar comum beneficia todos
5. A educação inclusiva diz respeito a todos

O papel de cada um na educação inclusiva

O aluno com necessidades educacionais especiais não é visto como responsabilidade unicamente do professor, mas de todos os participantes do processo educacional, da direção da escola e do familiar em casa.

As famílias são chamadas rede de apoio como a instituição primeira e significativamente importante para a escolarização dos alunos podem estimular uma cultura de respeito às diferenças, observar e mediar os conflitos que tais diferenças geram entre os estudantes, contribuir, enfim, para a inclusão e um ambiente de respeito e solidariedade.

Algumas ações que fazem a diferença:

- A presença de um segundo professor na sala de aula;

- O apoio de um intérprete de libras;

- Disponibilizar um monitor para auxiliar a equipe pedagógica com o aluno NEE, esse professor poderá possuir formação específica, básica ou poderá ser um estagiário, a participação dele é auxiliar a equipe pedagógica.

Hoje a Educação inclusiva está no seu estado embrionário, ainda existem muitos desafios a serem enfrentados, mas as iniciativas e as alternativas realizadas pelos educadores são fundamentais. Pais, alunos e educadores esperam que haja um aprimoramento na formação continuada dos professores e na formação dos alunos e que o tempo minimize os pontos decadentes do atendimento aos portadores de necessidades especiais.