Como começar o ano sem dívidas mesmo com pouco dinheiro?

planejamento financeiro

Como começar o ano sem dívidas mesmo com pouco dinheiro?

Como começar o ano sem dívidas mesmo com pouco dinheiro? Fim de ano é tanto um momento de alívio quanto de muitas incertezas.

O décimo terceiro salário pode até ajudar a resolver os problemas financeiros, mas o ano novo já começa com novas despesas como:

  • IPVA,
  • IPTU,
  • Matrícula escolar,
  • Natal,
  • Férias…

E se não houver planejamento, as contas voltam a ficar acumuladas.

Mas o que fazer quando nem mesmo uma folga no orçamento é capaz de evitar ou sanar as dívidas?

Para Victor Loyola, cofundador e coCEO da fintech Consiga+, é preciso cautela.

“Nem sempre o décimo terceiro é suficiente para cobrir todas as contas e nem todo trabalhador tem acesso a esse benefício”.

Muitas vezes, a sensação de alívio com a chegada de um dinheiro extra em Dezembro termina dois meses depois, com a incidência de várias despesas no começo do ano.

Segundo pesquisa realizada pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), o número de inadimplentes no Brasil cresceu 1,3% em setembro deste ano.

Mesmo com uma tendência de estabilidade nos últimos anos, a inadimplência para pessoa física segue em um patamar alto no país.

Esse quadro somente vai se modificar com incremento de renda (emprego) ou com crédito adicional para os devedores ou quem está em vias de se tornar inadimplente.

Se a tomada de crédito é inevitável para muita gente, como optar pela melhor alternativa?

Para Loyola, para evitar que as contas saiam ainda mais do controle, a melhor maneira é escolher o crédito consignado ao invés de outras opções disponíveis no mercado, como o rotativo do cartão de crédito, por exemplo.

O cartão de crédito possui a maior taxa de juros do mercado:

  • é desaconselhável utilizá-lo como produto de crédito, o mesmo se pode dizer do cheque especial.

O crédito pessoal, mesmo sendo mais barato que ambos, ainda apresenta uma taxa de juros média de 6.9% ao mês:

  • 2.5x maior que a média do crédito consignado, de 2.8% ao mês.

O grande diferencial do crédito consignado é que ele é descontado direto da folha de pagamento;

  • assim o devedor sabe exatamente quanto do seu salário será destinado a quitar essa dívida, explica.

Mas para quem quer se ver livre de empréstimos em qualquer período do ano, o ideal é insistir no planejamento financeiro.

A dica é sempre a mesma:

  • ter na ponta do lápis o quanto de dinheiro que entra e o quanto que sai, sendo que os gastos nunca podem ser maiores que os ganhos.

O empresário também recomenda manter uma poupança em caso de emergências e imprevistos.

“A maioria das pessoas acredita que para manter uma poupança é necessário abrir mão de uma quantidade significativa por mês, mas não é bem assim”, explica.

“Mesmo se sobrar um pouquinho de dinheiro é interessante colocar esse pouquinho no banco, criar o hábito de poupar sempre que possível e, assim, evitar surpresas no final do ano”.

Por Redação

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Antifrágil

Antifrágil. Vivemos no mundo VUCA com quatro características: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Você já deve ter observado que tudo mudou e a essa altura

Continuar Lendo »