Ouvir Pausar

Dicas para as férias de julho: a regra é descansar, brincar e aproveitar o tempo livre

É essencial que as crianças tenham tempo e espaço para a diversão mesmo no período de pandemia; entre as opções estão brincar junto com o filho, revisitar memórias da infância e controlar o uso de eletrônicos

Dicas para as férias de julho: a regra é descansar, brincar e aproveitar o tempo livre
Banco de imagem

As férias de julho estão chegando e para aproveitar estas semanas de descanso, a professora Bárbara Travassos Barreto, de Educação Física da Educação Infantil e do 1º ano do Ensino Fundamental do Colégio Franciscano Pio XII, instituição de educação localizada no bairro do Morumbi, em São Paulo, oferece dicas às famílias para garantir a diversão das crianças. “Construir brinquedos, imaginar histórias, explorar as possibilidades do corpo em diferentes contextos é essencial. Embora mantenham a rotina familiar e de cuidados pessoais, é importante também que se desconectem da necessidade de brincar em horários estipulados ou com diversos compromissos”, comenta.

Brincadeiras orientadas por faixa etária

Bárbara explica que cada criança de uma faixa etária diferente se interessa mais por determinado tipo de brincadeira. Por exemplo: as crianças até os seis anos tendem a se interessar por brincadeiras de faz de conta e, a partir desta idade, jogos com funções e objetivos estipulados. “Mas, isso não é uma regra, uma vez que cada criança é única e vive sua infância de acordo com as condições do contexto”.

Faça “grandes construções” com a criança em casa

A dica da professora é explorar materiais não estruturados, como caixas, potes, tampas, lençóis, diferentes papéis, pregadores de roupa, entre outros materiais que podem tornar-se grandes construções das crianças. “Elas precisam de tempo para imaginar, criar e recriar. Além disso, outras ideias são construir cabanas e circuitos de desafios corporais”.

Priorize espaços ao ar livre, mantendo a segurança

Em lugares que estão sendo reabertos, é importante optar por locais com pouca circulação de pessoas. “Desta maneira, as construções podem ocorrer com materiais da natureza, como pedras, pinhas, graveto, areia, folhas secas, entre outros”, comenta. Momentos em que as crianças possam correr, andar de bicicleta e escalar árvores ajudam para que conheçam os limites e as possibilidades do próprio corpo.

Participe das brincadeiras com seu filho

“Brinque com seu filho!”, comenta a professora Bárbara. “Considere o processo criativo e imaginativo, se coloque em diferentes papéis e interaja com a cultura da criança”. Além disso, ler livros e contar e imaginar histórias também são dicas para entreter os pequenos.

Ela aponta também que é essencial que as famílias compreendam e respeitem o tempo e os espaços de brincadeira das crianças, ajudando a organizar e disponibilizar os materiais, caso necessário. 

 Apresente brincadeiras da sua geração

“Reviver momentos da infância com os filhos incentiva o brincar e a qualidade dos momentos de convivência com as crianças”, afirma. “Revisitar a memória afetiva é também relembrar vivências marcantes da infância que podem ser compartilhadas com toda família”.

Controle o uso das telas

O tema exige atenção de pais e educadores. “Com a necessidade de uso da tecnologia para fins educacionais e sociais, mais do que nunca é preciso evitar ou dosar as brincadeiras e jogos eletrônicos nos limites recomendados, apresentando às crianças outras formas de se divertir e interagir”.

Não descuide do isolamento social

Mesmo com o avanço da vacina, é fundamental manter os protocolos de biossegurança, priorizando locais ao ar livre com distanciamento social, uso de máscara e frequente higienização das mãos. “É possível aproveitar as férias e se cuidar”, finaliza a professora.