Ouvir Pausar

Estudar ouvindo música: Ajuda ou atrapalha?

Estudar ouvindo música: Ajuda ou atrapalha?

Estudar ou fazer qualquer outra tarefa escutando música já se tornou um hábito comum, principalmente entre os mais jovens. Algumas pesquisas se voltam para os possíveis benefícios e malefícios trazidos para a concentração, a memória e a assimilação dos conteúdos.

Mas afinal, a música é uma aliada ou uma inimiga no processo de estudos? Infelizmente, a resposta é “depende”, nem todas pessoas podem se acostumar com a prática, por isso é importante testar, pois, em alguns casos pode ser que aderir a técnica atrapalhe trazendo algum grau de dispersão que pode prejudicar os estudos.

Como o cérebro humano entende a música?

Diferentes estudos já analisaram como a música provoca estímulos em várias áreas do cérebro, causando, assim, diferentes respostas cognitivas, perceptivas e emocionais.

Para o musicoterapeuta Alexandre Leonel Arizzonis “Através da música é possível aumentar o tempo de atenção em uma determinada atividade, ampliar o foco, e a absorção de novos conteúdos”.

A música também ajuda no desempenho da memória de indivíduos com DDA (Déficit de Atenção) e a minimizar o TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade).

Portanto, pode funcionar para um aluno, mas não funcionar para outro.

Música ajuda na concentração

Alguns estilos musicais podem ser importantes aliados, as músicas relaxantes e de meditação criam um ambiente mais saudável para os estudos e melhoram a capacidade de concentração e memóriam já as músicas instrumentais, auxiliam no armazenamento de informações no cérebro.

Os tipos de músicas indicados são:

- Música clássica;

- Jazz instrumental;

- Chill out e Chill-hop;

- Sons da natureza, batidas binaurais, ondas alfas e ruído branco;

É importante manter o volume em um nível baixo, criando um som ambiente, música alta é largamente desaconselhável.

 O que não ouvir?

Além das músicas com letras em uma língua que não se domina, músicas cantadas, em geral, não são recomendadas, mesmo em português. O cérebro vai reagir a música e a tendência é perder o foco nos estudos.

A altura da música também pode interferir, pois pode gerar um estado de euforia, por isso o ideal é ouvir abaixo de 90 bpm.

Independente do estilo, a música pode deixar a pessoa mais disposta e animada para iniciar a jornada de estudos.