Menopausa, reposição hormonal, câncer e autoestima

menopausa

Menopausa, reposição hormonal, câncer e autoestima

A menopausa é o nome dado à última menstruação, que geralmente acontece entre 45 e 55 anos, marcando o fim da fase reprodutiva da vida da mulher

A palavra climatério significa “fase crítica” e dá nome a um período que PODE ser realmente conturbado da vida feminina, que começa por volta dos 40 anos e se estende até a pós-menopausa. Sua principal característica são as transformações físicas e emocionais decorrentes do desequilíbrio na produção dos hormônios femininos pelos ovários.

É preciso entender que embora essas alterações associadas à menopausa e ao climatério sejam COMUNS elas não são exatamente NORMAIS.

Entre as populações aborígenes (que vivem segundo costumes milenares) – isso pode ser verificado na prática – é absolutamente incomum que as mulheres sofram os tais sintomas de menopausa. É preciso entender que nosso corpo foi feito divino. Ele “não veio com defeito”, certo? Nós devemos envelhecer – de forma saudável – e não adoecer pelo passar do tempo.

POR QUE ESTAMOS FALANDO TUDO ISSO?

É preciso ficar atenta para fazer essa transição de maneira saudável e feliz?

Como a natureza, a atenção sobre si mesma e alimentação podem nos ajudar?

Não estou dizendo que será fácil. Toda transição é difícil (você virou adolescente e depois virou adulto, lembra?) e a menopausa marca uma transição. Mas ela pode ser mais fácil e menos cheia de rótulos do que nos apresenta o “estilo de vida moderno”.

Ou o inconveniente “faz parte”.

Se você vai passar a viver sem o hormônio ovariano, é bom que todos os demais estejam em ordem.

E POR “EM ORDEM” ENTENDA-SE PRÓXIMOS AO IDEAL E NÃO APENAS DENTRO DAS REFERÊNCIAS LABORATORIAIS.

Mesmo com todo acompanhamento médico, cada vez mais mulheres sofrem de diversos tipos de câncer por conta de reposição de estrogênio.

ONDE A AUTOESTIMA ENTRA?

Mulheres ligadas à medicina natural cada vez mais optam por abandonar os anticoncepcionais assim como qualquer tipo de reposição hormonal.

São conhecedoras e senhoras do seu próprio corpo, têm poder sobre ele e usam o poder que o corpo lhes confere. Não estarão dispostas a ouvir “é assim mesmo” ou “não tem outro jeito”.

Dizer a uma mulher entrando no climatério que é normal ela se sentir péssima, é uma maneira eficaz de acabar com a autoestima dela.

Eu pergunto: é a esse papel que a medicina vai se reduzir no século XXI?

Por Sabina Donadelli, nutricionista

COMUNIDADE DE COLUNISTAS

Para saber mais sobre o colunista da matéria, clique aqui.

Compartilhe esse post

Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Veja os últimos posts

Antifrágil

Antifrágil. Vivemos no mundo VUCA com quatro características: volatilidade, incerteza, complexidade e ambiguidade. Você já deve ter observado que tudo mudou e a essa altura

Continuar Lendo »